terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Perdi O Meu Cabaço Anal No Mastro Do Meu Padrasto

perdi o meu cabaço anal

Hoje estou inspirada. Quero contar pra você, meu leitor querido, como foi que eu perdi o meu cabaço anal. Foi assim: Eu tinha uns 18 anos e meio mais ou menos. Já havia comido duas meninas. Com uma delas eu tive um namorico e com a outra foi uma foda ocasional. Sentia atração por mulheres, mas o que mexia mesmo com o meu tesão eram os homens, principalmente homens mais velhos. Não estava totalmente assumido, ainda me sentia culpado por ter tais desejos. Papai e mamãe se separaram quando eu tinha 7 anos. Mamãe arrumou um namorado com o qual foi morar junto. Eu também fui junto, é claro. O meu padrasto me adotou, era muito bom comigo. Eu tinha afeto por ele, o admirava pelo seu bom caráter; enquanto isso o meu pai legítimo se afastava cada vez mais. Assim, adotei como pai de verdade o meu padrasto.

O tempo passou, infância e adolescência sem maiores sobressaltos. Faço 18 anos, maioridade e tal... Pois bem, um belo dia, estava sozinho em casa. Entrei no quarto de mamãe e comecei a experimentar algumas roupas dela. Minha mãe era uma gata, uma mulher muito sensual. Estava entretido naquela tarefa que me tomava totalmente a atenção, pois era algo que mexia muito com a minha fantasia sexual. Estava montada de crossdresser. Uma calcinha minúscula deixava a minha bunda mais atraente. Meias, sutiã, batom, menos os sapatos, pois meus pés eram maiores que os de mamãe. Fazia poses na frente do espelho, desmunhecando total. Olhava a minha bundinha apertada na calcinha, sentindo um tesão imenso por mim mesmo. Se eu pudesse eu comeria a mim mesmo. A concentração era tanta que não ouvi o barulho de alguém se aproximando do quarto. Só ouvi quando a porta se abriu e, sabe quem era? O meu padrasto.

perdi o meu cabaço anal
Logo após o susto veio a vergonha. Muita vergonha. Ele também se assustou com a cena surreal. Ficamos uns segundos um olhando para o outro sem saber o que dizer ou fazer. Foi ele quem saiu primeiro do torpor.

- Sabe que você fica muito bem vestida de mulher?

- Ah, é?

   Respondo meio aparvalhado.

Ele se aproxima. Sinto um frio na espinha. Me olha mais de perto.

- Sempre suspeitei que você tinha uma tendência feminina.

Faço um movimento reflexo tentando tirar a lingerie para colocar a minha roupa de homem.

- Não, fica tranquilo, eu estou gostando. Você está muito bonita... e tesuda.

Quando ele falou tesuda, me deu mais um arrepio, mas foi de tesão mesmo.

Estava excitado ou excitada. O meu padrasto também estava excitado. O meu pau já estava duro. Olhei para a sua calça. O volume maior estava mostrando que o pau dele também estava duro.

Nos aproximamos mais, nossa respiração ficou mais ofegante. Ele me agarrou nos seus braços fortes e beijou-me na boca. Correspondi com muito desejo. Nossas línguas se devoravam. As suas mãos já passeavam pelo meu corpo quase sem pelos. Eu tinha poucos pelos, minhas coxas e peito eram lisinhos. Ele me beijou o pescoço, lambeu os meus peitos, mordeu os meus mamilos e chupou o meu pauzinho. Sim, o meu pau tem uns 10 cm quando muito, mas é grosso em relação ao comprimento. Ele colocava tudo na boca e lambia o meu saco. Me colocou de quatro, mordeu minha bundinha, deu uns tapas, arredou a minha (da mamãe) calcinha e enfiou a língua no meu cuzinho, Ai, delícia, quase gozei. Me fodeu com a língua o safado. Disse que já sentia atração por mim, mas não tinha tomado nenhuma iniciativa por respeito a mim e à mamãe. Só que agora ele não conseguira se dominar. Me chupou todinha. Eu já me sentia mulher nos braços e na língua dele.

Tirou as calças e o pauzão dele saltou pra fora da cueca. Agarrei. Estava duro como pedra. Não aguentei e passei a beijar o pauzão grosso dele. Lambi a cabeça, beijei o saco, chupei com voracidade e delicadeza. Tentei botar tudo na boca, mas era comprido e grosso, o máximo que consegui foi engolir até a metade. Ele tirou a minha cabeça. Disse que estava quase gozando e queria provar o meu cuzinho. Tirei toda a roupa, fiquei peladinha. Ele também ficou peladão. Era um ursão, grande e peludo. Nos abraçamos, nos beijamos e rolamos na cama dele e de mamãe. Nem pensei que mamãe poderia chegar e nos surpreender naquela brincadeira gostosa.

Falei pra ele que estava receosa de dar. Nunca tinha dado o meu rabinho, a não ser para os objetos em forma de pênis que eu enfiava de vez em quando. Ele me acalmou, disse que ia ser muito cuidadoso. Me confidenciou que foi o primeiro também a comer o cu de mamãe. E tinha sido muito cuidadoso para não machucá-la. Quando ele falou isso, fiquei ainda mais excitada. Não só mamãe, mas eu também seria mulher dele. Ele ficou deitado de barriga pra cima, seu enorme caralho duro como uma lança em riste. Me falou que esta posição era ótima porque eu mesma podia controlar a penetração. Botou camisinha e passou gel. Me deu o gel pra eu passar no rabinho. Passei e fui esfregando a minha bundinha, o meu reguinho, o meu buraquinho naquele mastro maravilhoso.

O tesão foi aumentando cada vez mais. Ajeitei no buraquinho e fui sentando devagarinho. Entrou a cabeçona. Ai, tesão só de lembrar! Doeu, tirei, respirei fundo e sentei de novo rebolando um pouquinho. Entrou um pouco mais. Ai, sentia aquela coisa dura alargando o meu rabo e me dando uma sensação incrível de prazer. Até que a metade do caralho já estava dentro de mim. Achei que estava bom, pois sentia dor. Controlei para o pau não entrar mais, e fiquei assim, subindo e descendo, o pauzão entrando e saindo - até a metade. Nos abraçamos assim, nos beijamos, me sentia protegida nos braços fortes e peludos do meu padrasto. Ele me falou que dali por diante íamos nos amar bastante. Ele estava apaixonado por mim e eu por ele. Uma sensação incrível tomou conta de mim e eu gozei sem manipular o meu pauzinho. Ele gozou em seguida. Um gozo sensacional. Tirou do meu rabo latejando, tirou a camisinha e deu pra eu lamber o leitinho que estava pingando da sua pica. Lambi e engoli. Ai como era gostoso!
perdi o meu cabaço anal

E foi assim, meus queridos! O resto eu conto no próximo conto. Ficou com tesão? Quer gozar? Imagina estar gozando na minha boca. Ai, delícia, desde aquela vez em que o meu padrasto tirou o meu cabaço e me deu leitinho eu fiquei viciada em leitinho de pica. Bye!

Autora: Kellen Kern Pinto

2 comentários:

  1. Eu também sou viciado em leitinho quentinho de pica ummmmmmmm delicia
    Quem tem para me dar

    ResponderExcluir
  2. Tenho 18cm de pica, se usar calcinha fodo seu cuzinho.

    ResponderExcluir

Bem-vindo (a)! Comente com tesão e gostosura. Thanks!